Chegada do inverno deve aquecer as vendas do comércio gaúcho

Chegada do inverno deve aquecer as vendas do comércio gaúcho

21

JUNHO, 2017

Notícias

A massa de ar frio que se instalou no Rio Grande do Sul no último final de semana aqueceu a esperança de alguns lojistas da Capital gaúcha. De acordo com o presidente da CDL Porto Alegre, Alcides Debus, as temperaturas baixas dos últimos dias estão contribuindo para as vendas, especialmente, de roupas, aquecedores e produtos de cama, mesa e banho.

“Sentimos que o consumo ainda está tímido neste início de inverno, mas o mercado começa a se reaquecer com a possibilidade de um frio mais intenso”, avaliou Debus, estimando que as vendas nos primeiros vinte dias do mês de junho apresentaram um resultado negativo de 2%, em relação ao mesmo período do ano anterior. Mas estes dados são vistos com otimismo. “Considerando que 2016 teve um inverno muito mais rigoroso e que o frio veio mais cedo, logo no início de junho, ainda temos a expectativa de conseguir melhorar os resultados nos próximos dias”, observou. Segundo ele, as grandes redes, que possuem estoques mais amplos e uma diversidade maior de produtos que não são sazonais, também estão apresentando um desempenho melhor neste início da nova estação.

Em relação ao ano passado, a procura por cobertores e edredons já aumentou em 30% com a chegada do inverno

Conforme o diretor comercial da Rainha das Noivas, Fabiano Wainberg, a procura por cobertores e edredons já aumentou em 30% com a chegada do inverno, em relação ao ano passado. A venda está sendo tão boa, que a rede já reforçou o seu estoque destes itens em 10%. “A nossa marca própria também está com um crescimento muito positivo e ampliou 20% sobre o inverno passado”, comparou Wainberg.

A venda de aquecedores de ambiente também está em alta neste período. O gerente regional da Magazine Luiza, Geovane Konrath, disse que com o frio intenso no Rio Grande do Sul a rede criou ofertas especiais para o estado gaúcho, praticando descontos em aquecedores elétricos e a óleo. “Esperamos um crescimento de 10% na venda destas linhas, sobre o mesmo período do ano anterior, em função da queda brusca de temperaturas e dos preços que estamos praticando”, considerou Konrath.

Data

21 junho 2017

Compartilhe