Índice de inadimplentes sobe para 11% em março

Após queda sazonal em fevereiro, percentual de inadimplentes sobe 0,3 ponto percentual em relação ao mesmo mês de 2013, mas continua relativamente estável na média em 12 meses.

O Índice de Inadimplentes inicia março de 2014 em alta, ao contrário do movimento de queda verificado no mês passado.

O índice, que verifica o percentual de pessoas que se tornaram inadimplentes após 3 meses, aponta no Rio Grande do Sul:

  • aumento de 0,3 ponto percentual (p.p.), na comparação com março/13 (11% contra 10,7% no ano anterior);
  • estabilidade relativa na média-móvel 12 meses na comparação com fevereiro/14 (10,40% contra 10,43%), que atenua efeitos sazonais;

aumento na comparação do índice cheio com relação a fevereiro/14, 11% contra 10,6%.(% de pessoas consultadas que ficaram inadimplentes após 3 meses)

Fonte: SCPC; NI/CDLPOA.

(em pontos percentuais)

Fonte: SCPC; NI/CDLPOA.

Na segmentação por regiões houve comportamento distinto entre Interior e Porto Alegre:

  • Porto Alegre:queda de 0,6 p.p. contra março/13, e 0,05 p.p. contra fevereiro/14 na média;
  • Interior: aumento de 0,41 p.p. contra março/13, e relativa estabilidade na média (+0,03 p.p.).

No início de fevereiro, 11% das pessoas que foram consultadas há três meses no SCPC no Rio Grande do Sul, e que não estavam inadimplentes, hoje possuem ao menos um registro de inadimplência em seu nome.

A variação do índice na comparação com março/13 foi de +0,37 ponto percentual, ou seja, aumento de 10,7% para 11%.

Já na segmentação por atividade econômica, os estabelecimentos com menor percentual de inadimplentes no início de março foram Transportes e Passagens Aéreas (4,7%), Farmácias (5,7%) e Serviços Sociais, Fundações e Associações (5,7%).

Considerações da Assessoria Econômica

O percentual de inadimplentes voltou a subir em março, depois de ter o crescimento do final de 2013 interrompido em fevereiro.

Se por um lado houve crescimento mensal na maioria dos últimos meses, por outro esse aumento ainda não foi forte o suficiente para alterar a média em 12 meses. Entre os fundamentos que provocaram esse crescimento moderado estão:

  • efeitos defasados do aumento da Taxa de Juros (SELIC) (atualmente em 10,75 % a.a.), aumento nos empréstimos destinados à renegociação de dívidas, inflação ainda alta;
  • renda e crédito para consumo em crescimento moderado fazem com que aumentos não ocorram de forma mais acelerada.

O aumento nos empréstimos para renegociação em janeiro é um alerta para os próximos meses, já que representa um sinal de dificuldades dos consumidores em arcar com todos os financiamentos já tomados.

Nos últimos dois meses houve aumento de empréstimos dessas modalidades em mais de 11% contra igual mês do ano anterior, já descontados os efeitos da inflação. No mesmo período do ano passado, esses aumentos foram de 5,4% e 10,5% (ver gráfico na página seguinte).

Para 2014 a Inadimplência deve manter-se relativamente estável na média em 12 meses, com viés de alta no primeiro semestre.

A possibilidade de alta está relacionada a magnitude do aumento da taxa de juros pelo Banco Central para esse ano, bem como ao comportamento da inflação sobre a renda das famílias. Quanto mais forte forem, mais provável será o seu crescimento.(% de pessoas consultadas que ficaram inadimplentes após 3 meses)

Fonte: SCPC; NI/CDLPOA.

OBS: considera concessões com Cartão de Crédito Rotativo e Crédito Pessoal Não-consignado para Renegociação de Dívidas.

(% de pessoas consultadas que ficaram inadimplentes após 3 meses)

Fonte: SCPC; NI/CDLPOA.

(% de pessoas consultadas que ficaram inadimplentes após 3 meses)

Fonte: SCPC; NI/CDLPOA. 

*Tamanho de amostra insuficiente para inferência sobre esse grupo, pelo baixo número de consultas

(% de pessoas consultadas que ficaram inadimplentes após 3 meses)

Fonte: SCPC; NI/CDLPOA.

Notas Metodológicas

O Índice de Inadimplentes CDL Porto Alegre mede o percentual de pessoas que se tornaram inadimplentes após 3 meses, dado que foram consultadas (em determinado local, ou por loja de um segmento específico) há 3 meses e não apresentavam nenhum registro no SCPC naquele momento.Desta forma, por exemplo, dados divulgados em julho são fechados no último dia de junho, consideram as consultas sem registros realizadas em março. Os dados não consideram qual a forma de pagamento desejada pelo cliente na hora de sua realização.A classificação de uma pessoa em Porto Alegre ou Interior ocorre pelo local onde ela foi consultada há 3 meses. Assim, se uma pessoa foi consultada no Interior e na Capital ela contará para cada uma dessas estatísticas. Isso ocorre pois supomos que cada consulta é uma operação diferente e, portanto, essa pessoa deve contar nas operações de ambas localidades. Assim, quanto mais uma pessoa for consultada mais isso influenciará a probabilidade de se tornar inadimplente. O mesmo ocorre para a classificação entre segmentos. Uma pessoa consultada, por exemplo, por uma Financeira e por uma Loja de Departamentos contará para cada um desses segmentos. Entretanto, para o total de Porto Alegre, essa mesma pessoa deverá contar apenas uma vez.

No caso de faixas etárias, a contagem de uma mesma pessoa em mais de uma faixa só ocorrerá quando, no intervalo de 3 meses desde a consulta observada, essa pessoa completou seu aniversário.(% de pessoas consultadas que ficaram inadimplentes após 3 meses)

Fonte: SCPC; NI/CDLPOA. 

(% de pessoas consultadas que ficaram inadimplentes após 3 meses)

Fonte: SCPC; NI/CDLPOA. 

(% de pessoas consultadas que ficaram inadimplentes após 3 meses)

Fonte: SCPC; NI/CDLPOA. 

*Tamanho de amostra insuficiente para inferência sobre esse grupo, pelo baixo número de consultas

(% de pessoas consultadas que ficaram inadimplentes após 3 meses, e % do saldo de crédito às pessoas físicas com atraso superior a 90 dias, respectivamente – ambos em média-móvel 12 meses)

Fonte: SCPC; NI/CDLPOA; Banco Central do Brasil.

(% de pessoas consultadas que ficaram inadimplentes após 3 meses)

Fonte: SCPC; NI/CDLPOA. 

Considera os segmentos com volume de consultas grande o suficiente em termos amostrais

Data

07 março 2014

Compartilhe