Após julho atípico, Inflação volta a crescer moderadamente em agosto

O índice oficial de inflação do Brasil, IPCA, voltou a crescer moderadamente em agosto com variação de 0,24%. Com o resultado, em 12 meses a inflação recuou novamente, fechando em 6,09%.

O resultado está em linha com as expectativas do mercado esse mês, que esperava variação de entre 0,25% e 0,26%.

Em Porto Alegre a variação foi maior: 0,4% no mês, acumulando 5,4% em 12 meses.

Dentre os grupos de maior variação encontramos:

  • Brasil: Artigos de residência (+0,89%), Educação (+0,67%) e Alimentação fora do domicílio (+0,67%);
  • Porto Alegre: Artigos de residência (+1,03%), Educação (+1,01%) e Habitação (+0,78%);;

Já entre os de menor variação estão:

  • Brasil: Alimentação no domicílio (-0,34%), Transportes (-0,02%) e Comunicação (-0,02%);
  • Porto Alegre: Vestuário (-0,45%), Transportes (-0,05%) e Comunicação (-0,04%);

Fonte: IBGE; Banco Central do Brasil. Elaboração: AE/CDL POA.

(em var% acumulada em 12 meses)

Fonte: IBGE; Banco Central do Brasil. Elaboração: AE/CDL POA.

Considerações da Assessoria Econômica

Em primeiro lugar, destacamos alguns pontos importantes:

  • apesar da forte variação em relação a julho (0,03% contra 0,24%) o mês atual apresentou inflação menor que em agosto do ano passado: 0,24% contra 0,41% em 2012;
  • a baixa inflação registrada em julho era um movimento esperado e atípico;
  • o resultado de julho foi influenciado pelas tarifas de Transportes, que novamente voltaram a cair em agosto: -0,06% no Brasil e -0,05% em Porto Alegre.
  • o item Combustível (veículos) apresentou a maior contribuição para esse resultado, muito em função do preço do Etanol (beneficiado pela safra de cana-de-açúcar), e não pelas passagens dos transportes públicos, cujo efeito foi verificado em julho.

Em segundo lugar destacamos os efeitos positivos da queda de alimentos, já há 3 meses com preços em retração ou estabilidade para esse grupo.

Conforme a Nota Econômica nº 31 (08/07) situações como a de julho, em que os preços caem rapidamente em função de acontecimentos atípicos em geral tendem a se dissipar ao longo do tempo.

Podemos ter uma idéia desse comportamento olhando para o núcleo da inflação. Ele exclui produtos que variam muito em um determinado mês. A comparação do movimento da linha cheia com a pontilhada nos diz que:

  • o núcleo da inflação apresentou queda, mas que essa queda não é tão expressiva quanto na inflação cheia;
  • se essa redução fosse um movimento na maioria dos produtos, verificaríamos uma distância entre as curvas, e não uma aproximação entre elas.

Assim, para garantir que a meta de inflação (4,5% a.a.) seja cumprida o Governo deveria iniciar uma contenção de gastos mais agressiva que a proposta para atingir a meta de superávit primário e, com isso, ajudar o Banco Central em sua tarefa.

Por fim, para os próximos meses o mercado espera variação dos preços entre 0,45% e 0,53%, porém com o acumulado em 12 meses reduzindo-se para perto de 6%.(em var. % acumulada em 12 meses)

Fonte: IBGE; Banco Central do Brasil. Elaboração: AE/CDL POA.

Assessoria Econômica
Gabriel P. Torres – Economista
gabriel.torres@cdlpoa.com.br
(51) 3017-8048   (51) 9158-6552

Política de Uso
Caso seja de seu interesse receber esse documento em versão digital, por favor entre em contato através do e-mail gabriel.torres@cdlpoa.com.br . A CDL POA permite a reprodução total ou parcial do conteúdo deste documento, desde que devidamente citadas fonte e elaboração. As análises contidas nesse documento são de única e inteira responsabilidade de seu(s) elaborador(es), não representando necessariamente a visão da instituição, seus diretores, procuradores e (ou) demais representantes legitimamente escolhidos conforme seu estatuto. A CDL POA e os autor(es) deste documento não se responsabilizam por quaisquer decisões e ações tomadas com base nas informações e análises presentes nesses informativos.

Data

10 setembro 2013

Compartilhe