Agropecuária faz PIB gaúcho crescer 5,8% em 2013

Recuperação do setor provocou efeito estatístico sobre o crescimento do ano, mas expansão no biênio 2012-2013 foi 2,1%, abaixo da média dos últimos 10 anos.Conforme os dados divulgados pela FEE o PIB do RS acumulou crescimento de 5,8% em 2013, representando R$ 310,5 trilhões. Os dados mostram ainda:

  • crescimento de 1,9% na comparação com o 4º trimestre de 2012;
  • crescimento de 0,68% em relação ao 3º trimestre de 2013;
  • considerando apenas o valor adicionado, o crescimento foi de 6% em 2013.

Considerando apenas o lado da oferta, o maior estímulo foi pela Agropecuária, com crescimento de 39,7%. O resultado é expressivo pelo crescimento sobre uma base pequena em função da estiagem de 2012. Mesmo assim, o setor teve um ano positivo em relação a 2011: +0,35%.

O setor de Serviços apresentou mais um ano de crescimento positivo, com expansão de 3,2%. Entre os segmentos de destaque estão os Transportes e Armazenagem (+6,77%), bastante estimulado pela boa safra, e o Comércio (+4,2%).

Fonte: FEE.  Elaboração: NI/CDL Porto Alegre

(em var. % acumulada em 4 trimestres)

Fonte: FEE.  Elaboração: NI/CDL Porto Alegre

Considerações da Assessoria Econômica

Apesar do resultado bastante positivo, o crescimento acelerado era um resultado esperado e previsível. O resultado ficou dentro de nosso intervalo de projeção: entre 5,23% e 6,18%.

A análise em perspectiva é importante para lembrarmos que em 2012 o PIB havia caído 1,4% (após revisão de uma queda original de 1,9%).

Para verificar que o desempenho de 2013 foi inflado pelo crescimento sobre uma base baixa basta olhar para a média do biênio 2012-2013: expansão de 2,13%, inferior à média dos últimos 10 anos (2,98%).

A opção por expansão de gastos públicos na atual administração, com aumento nas despesas pessoal e custeio não direcionadas a aumento de produtividade no setor público não gerou mais crescimento econômico. Na média anual, o crescimento entre 2011-2013 não foi capaz de superar a média anual do governo anterior: 3,12% contra 3,86%.(em var. % sobre ano anterior)

Fonte: FEE.  Elaboração: NI/CDL Porto Alegre

Médias geométricas.

A grande preocupação para o crescimento da economia gaúcha reside em dois fatores: produtividade e baixa taxa de investimento.

O primeiro ponto é um problema comum à economia brasileira, derivado basicamente da dificuldade em modernização pelas restrições à importação de equipamentos mais modernos, bem como pela baixa qualificação da mão-de-obra.

O segundo gargalo acaba sendo mais drástico no Rio Grande do Sul pela deterioração acelerada das Finanças Públicas do estado, cuja projeção de déficit para esse ano é de mais de R$ 3 bilhões. Desta forma, os investimentos em infraestrutura acabam penalizados.

O resultado, até o momento, é um agravamento da crise financeira do Estado, que cada vez torna-se mais difícil de resolver – exigindo um custo maior pelo ajuste profundo na estrutura de despesas do governo.

O Comércio (Varejo e Atacado) novamente se mostrou um segmento dinâmico para o RS, junto com os demais Serviços, apresentando desempenho acima da média do estado nos últimos 10 anos: 4,2%. Conforme nossa análise, esse descolamento no desempenho, mais favorável que o do estado, é resultado da expansão do crédito e da renda pelo mercado de trabalho – o que acaba atenuando os efeitos negativos da forte oscilação do PIB gaúcho pela Agropecuária.

Nesse cenário, mantemos nossa projeção de crescimento de 2,14% para o PIB do Rio Grande do Sul em 2014. De modo geral, os dados confirmam nossa expectativa de que 2014 será um ano de retorno à média.Isso ocorre pois os impactos da Agropecuária devem ser normais, com projeção de crescimento para a safra em 7,24%.

Data

14 março 2014

Compartilhe