Varejo encerra 2013 com 3,85% de crescimento

Apesar de um dezembro melhor que 2012, setor encerrou o ano abaixo da média brasileira de 4,3%.

Segundo os dados divulgados pelo IBGE, o Varejo restrito no RS fechou o ano de 2013 com crescimento em relação ao ano passado. O faturamento de dezembro foi aproximadamente R$ 10,8 bilhões, totalizando R$ 95,4 bilhões em 2013.(var. % – mês s/ mês ano anterior)

Fonte: IBGE.  Elaboração: NI/CDL Porto Alegre

(em var. %)

Fonte: IBGE.  Elaboração: NI/CDL Porto Alegre

Os dados apontam, já descontada a inflação:

  • queda de 0,43% em relação a novembro/2013, já descontados os efeitos sazonais;
  • aumento de 5,0% com relação adezembro/2012;
  • crescimento acumulado em 2013 de 3,85%;
  • no Varejo Ampliado, que inclui Veículos e Material de Construção, o crescimento foi de 7,1% em relação a dezembro/2012;
  • entre os segmentos com melhor desempenho na comparação com dezembro/12 estão Móveis e eletrodomésticos (11,0%), Farmácias (7,9%) e Artigos de uso pessoal e domésticos (9,3%).

Por fim, o Varejo restrito no Brasil teve desempenho melhor que o gaúcho, com queda menor, -0,17%, na comparação com novembro – e crescimento acumulado de 4,3% em 2013.

Considerações da Assessoria Econômica

O ano de 2013 pode ser dividido em dois capítulos, onde o Varejo gaúcho manteve desempenho próximo ao Brasil até setembro (4,8% no acumulado), e apresentou desaceleração mais forte no último trimestre (encerrando em 3,85% contra 4,3%).

A diferença nesse desempenho está mais fortemente ligada às expectativas dos consumidores, que apresentaram forte queda no último trimestre, após manterem-se em crescimento até julho em Porto Alegre (gráfico abaixo).

As expectativas têm papel relevante pois determinam o quão seguras as famílias estão quanto ao futuro e sua situação presente – o que afeta a sua disposição a se endividar e consumir bens que não sejam de primeira necessidade.(var. % – mês s/ mês ano anterior)

Fonte: Fecomércio-RS; CNC.  Elaboração: NI/CDL Porto Alegre.

O resultado de 2013 pode ser considerado positivo, já que se trata do 8º ano de crescimento ininterrupto do setor no estado. Obviamente, ele não é tão positivo quanto nos últimos anos. Entretanto, é importante salientar que se trata de um crescimento real de 3,85% sobre um crescimento real de 9% no ano passado.

Conforme alertamos ao longo do ano, a expansão moderada é resultado de alguns fatores econômicos agindo em sentidos opostos, sendo do lado positivo:

  • expectativas dos consumidores com leve melhora, ainda que se mantenham no campo pessimista;
  • crescimento moderado na renda das famílias em função do mercado de trabalho aquecido;

E, do lado negativo:

  • expansão mais moderada do crédito, na comparação com o período 2010-2012;
  • aumento na taxa de juros;
  • inflação ainda perto de 6%.

Nesse cenário, considerando o resultado mais modesto de dezembro, ajustamos nossa projeção referente a 2014 para um crescimento real de 3,92%.

Assessoria Econômica
Gabriel P. Torres – Economista

gabriel.torres@cdlpoa.com.br
(51) 3017-8048   (51) 9158-6552

Política de Uso
Caso seja de seu interesse receber esse documento em versão digital, por favor entre em contato através do e-mail 
gabriel.torres@cdlpoa.com.br . A CDL POA permite a reprodução total ou parcial do conteúdo deste documento, desde que devidamente citadas fonte e elaboração. As análises contidas nesse documento são de única e inteira responsabilidade de seu(s) elaborador(es), não representando necessariamente a visão da instituição, seus diretores, procuradores e (ou) demais representantes legitimamente escolhidos conforme seu estatuto. A CDL POA e os autor(es) deste documento não se responsabilizam por quaisquer decisões e ações tomadas com base nas informações e análises presentes nesses informativos.

Data

13 fevereiro 2014

Compartilhe