Evento promovido pela CDL Porto Alegre traça cenários para o varejo em 2018

Evento promovido pela CDL Porto Alegre traça cenários para o varejo em 2018

09

NOVEMBRO, 2017

Notícias

Os possíveis cenários político e econômico para o Brasil no próximo ano foram tema de evento realizado pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Porto Alegre (CDL POA) na tarde desta quinta-feira (08).  Empresas associadas à Entidade e parceiros convidados participaram do encontro “Superando a crise. O que fazer para crescer em 2018?”, que ocorreu no Centro Histórico Cultural Santa Casa, na Capital.

“Temos a preocupação em fomentar negócios e gerar valor às nossas associadas e parceiras das nossas associadas. Eventos como este têm esta finalidade: apresentar as perspectivas para o próximo ano e estimular a melhora de desempenho neste momento de retomada do crescimento do País”, destaca o presidente da CDL POA, Alcides Debus.

Ao fim do governo de transição Michel Temer e às vésperas de eleições presidenciais, o futuro do País ainda é incerto até mesmo para os especialistas. Primeiro a subir ao palco, cientista político e professor do Insper, Fernando Schüler, acredita que o Brasil vive hoje os reflexos do mal-estar da democracia que vem de diversas partes do mundo. “Além disso, a variável política afeta diretamente a nossa economia e dependemos, basicamente, de saber se Lula poderá ou não se candidatar. Caso isso aconteça poderemos ter, pela primeira vez, uma disputa explícita entre direita e esquerda”.

Na avaliação do economista Marcelo Portugal, acabou a crise e as perspectivas são de uma melhora lenta e gradual a partir de 2018. “Não acredito que não voltaremos tão cedo ao nosso patamar mais alto, de 2014, e isso vale para o comércio, para as vendas. Mas todos os índices mostram resultados positivos: mercado de trabalho reagindo, retomada da confiança do consumidor, melhora do crédito, queda na inflação e nos juros. Isso tudo qualifica a massa de rendimentos devem estimular o consumo”.

Histórias de superação

Na segunda parte do evento, três empresários do segmento apresentaram seus cases sobre como enfrentaram os anos de recessão e como estão se preparando para o próximo. Para Otelmo Drebes, presidente das Lojas Lebes, o segredo é focar-se no aqui e agora. “No dia a dia não temos como perceber quando começou a crise, quando terminou ou o que está acontecendo no mundo. Eu trabalho melhor localmente, às vezes a minha crise foi simplesmente um vendedor que deixou de vender. Costumamos valorizar o que temos e trabalhamos com capital 100% próprio e  endividamento zero.”

 

Peter Furukawa, ‎CEO ‎das Lojas Quero-Quero, acredita que o segredo do sucesso da rede é a aposta em um modelo de varejo que inclui serviços financeiros. “Quando um está em baixa, o outro cresce. E vice-versa. Além disso, temos como característica o investimento em cidades pequenas, com perfis diferenciados, e firmamos uma relação de extrema confiança com o nosso cliente”, salienta.

Segundo Julio Mottin Neto, presidente do Grupo Dimed, o setor de farmácias passou ao lado da crise, mas isso não significa que não tenha tido desafios a superar. “O nosso principal entrave foi o de equilibrar as finanças, pois os preços dos remédios são reajustados uma vez ao ano e a inflação sobe mensalmente. Mesmo assim, vamos fechar 2017 com 40 novas unidades e até junho já havíamos registrado um crescimento de 15%. E o principal, conquistamos 6,2% de novos clientes”, comemora.

Sugestões para os varejistas

Para encerrar, o vice-presidente de Marketing e Relações Internacionais da CDL POA, José Roberto Resende,  comandou uma rodada final com os palestrantes, que deram soluções práticas, de baixo investimento e executáveis em curto prazo para o varejo:

1 – Redução de custos. Não importa como a economia está, sempre é possível diminuir gastos desnecessários.

2 – Ter um propósito claro para o negócio.

3 – Motivar e investir nas pessoas. Este é o segredo de boas vendas e bons resultados.

4 – Buscar engajamento com os fornecedores.

5 – Ser moderadamente otimista em relação ao ano que vem. Descubra a sua taxa sustentável de crescimento e trace objetivos sólidos.

6 – Acompanhar as mudança da tecnologia.

7 – Ficar atento ao que acontece no mundo, mas focar na sua empresa.

Data

09 novembro 2017

Compartilhe