Empresários protestam contra corte de benefícios e aumento de ICMS no RS - CDL POA

Empresários protestam contra corte de benefícios e aumento de ICMS no RS

Representastes de federações e empresários de diversas áreas do setor produtivo se reuniram em frente ao Palácio Piratini, no Centro de Porto Alegre, para manifestarem contrariedade ao corte de benefícios fiscais e aumento de ICMS no Rio Grande do Sul, o que provocaria, entre outros efeitos, uma alta no preço dos alimentos, inclusive na cesta básica.

Esta segunda-feira, 1º de abril, representa a data em que entrariam em vigor os decretos do governador Eduardo Leite (PSDB) que reduziriam o percentual de incentivos à produção gaúcha – cujo início foi adiado em 30 dias, enquanto o Executivo negocia possível reajuste da alíquota modal do ICMS.

O ato foi organizado pela Federação das Entidades Empresariais do Rio Grande do Sul (Federasul), cujo presidente Rodrigo Sousa Costa foi o primeiro a discursar. “Queremos que o governador cumpra sua promessa de não aumentar impostos. Os gaúchos acreditam que palavra dada deve ser cumprida”, cobrou. “É uma pauta que une todos os gaúchos, de direita e de esquerda”, afirmou, fazendo referência à votação que uniu bancadas como a do PT e do PL, além de parlamentares da própria base do governo, que fez avançar na Assembleia Legislativa um requerimento para revogar os decretos de Leite.

A CDL POA, presente no ato, esteve representada por seus vice-presidentes Carlos Klein, Sérgio Galbinski e Carlos Frederico Schmaedecke. Segundo o 2º VP da Entidade, Carlos Klein, o aumento da alíquota de impostos encarecerá os produtos, em um momento em que as empresas passam por muitas dificuldades, pedindo recuperação judicial, entrando em falência. “Além das empresas, também vivemos um momento sensível quanto ao superendividamento das famílias, que estão, boa parte, inadimplentes. O aumento de impostos, inevitavelmente, impactará toda a economia. Causará aumento de preços e queda do poder de compra da população, que passará a consumir menos. Haverá, redução nos negócios, na geração de empregos e na renda. É um processo cíclico, que culmina na redução da arrecadação do Estado”, explica o dirigente.

Segundo a Federasul, 11 ônibus chegaram do interior na Capital para a manifestação. Diversos utilizavam narizes de palhaço e camisetas da associação que representam. Do alto do carro de som, uma faixa foi erguida: “1º de abril, quando 11 milhões de gaúchos foram enganados por um político que se elegeu prometendo que não aumentaria impostos”.

Vice-presidente da Federasul e candidato à sucessão de Sousa Costa, Rafael Goelzer avaliou positivamente a manifestação. “Espetacular o protesto. Tivemos comitivas de todo o Estado, com ônibus que saíram da madrugada do domingo de Páscoa para segunda-feira para mostrar que o RS não suporta mais pagar impostos”, afirmou. A entidade estima que cerca de 500 pessoas compareceram ao ato.

Após o ato, realizado de frente para o Palácio Piratini, a atenção volta-se para o prédio vizinho, o Palácio Farroupilha, onde deputados devem apreciar nesta terça-feira (2) outro requerimento que busca a suspensão dos decretos de corte de benefícios fiscais.

“Nossas articulações maiores são coma Assembleia, que já se mostrou responsável dizendo “não” ao aumento do ICMS, quando o governador propôs no ano passado. Na semana passada, o governo teve nova derrota relacionada. Esperamos que a Assembleia reitere esse recado”, disse Goelzer.

Fonte: Jornal do Comércio

Colaboração de dados: CDL POA

 

 

Data

01 abril 2024

Compartilhe

Ligue e descubra a solução ideal para a sua empresa

51 3017 8000

Capitais e regiões metropolitanas
De segunda a sexta , das 9h às 18h.