Boa Vista: Demanda por Crédito do Consumidor recua 1,9% em junho, mas encerra o primeiro semestre com alta de 8,5% - CDL POA

Boa Vista: Demanda por Crédito do Consumidor recua 1,9% em junho, mas encerra o primeiro semestre com alta de 8,5%

No mês a queda do segmento Financeiro foi um pouco mais forte, de 2,4% 

O indicador da Boa Vista de Demanda por Crédito do Consumidor registrou a terceira queda consecutiva na comparação mensal dos dados dessazonalizados, desta vez, de 1,9% entre os meses de maio e junho. No 2º trimestre a retração em comparação ao 1º trimestre foi de 7,2%.  

Por outro lado, na série de dados originais foi verificado um aumento de 1,6% na comparação interanual e de 3,5% na comparação entre o 2º trimestre de 2022 e o 2º trimestre de 2021. Mais tímidas, as variações fizeram com que os resultados acumulados desacelerassem. No 1º semestre do ano o crescimento do indicador passou de 9,9% até maio para 8,5% com os dados de junho, já na análise de longo prazo, medida pela variação acumulada em 12 meses, o crescimento passou de 10,1% para 9,1% no mesmo período. 

No mês, os segmentos Financeiro e Não Financeiro caminharam na mesma direção, o primeiro caiu 2,4% e o segundo 1,6%. Esse padrão também foi verificado na comparação entre o 2º trimestre de 2022 e o 1º trimestre do mesmo ano, só que neste caso a queda foi mais forte no segmento Não Financeiro (-7,8% x -6,4%). Já na comparação interanual os movimentos foram distintos. Enquanto no segmento Financeiro fora observada alta de 13,3%, ainda assim, insuficiente para frear a desaceleração do crescimento na curva de longo prazo, que passou de 18,5% para 17,4%, no segmento Não Financeiro o indicador recuou 6,2% e no acumulado em 12 meses o crescimento passou de 4,4% para 3,6%. 

“Essa desaceleração no ritmo de crescimento do indicador já era esperada e vem se confirmando mês a mês. O crédito ainda é muito forte e deverá encerrar o ano em alta, mas essa tendência deve ser mantida ao longo do próximo semestre. O custo do crédito é elevado e essa é a principal razão que justifica essa expectativa de desaceleração, não apenas do crédito, como também, da economia”, explica Flavio Calife, economista da Boa Vista. 

Esse custo, por sinal, tende a continuar subindo, não só porque o custo de captação deve acompanhar a Selic, a expectativa é de que a taxa aumente em 0,5 ponto percentual, para 13,75%, na reunião do Copom agendada para os dias 2 e 3 de agosto, como também, pela elevação do spread, acompanhado uma tendência de alta que tem sido projetada nas taxas de inadimplência do consumidor.  

Segue abaixo a tabela contendo o resumo dos dados apresentados.  

Metodologia

O indicador de Demanda do Consumidor por Crédito é elaborado a partir da quantidade de consultas de CPF à base de dados da Boa Vista por empresas. As séries têm como ano base a média de 2011 = 100 e passam por ajuste sazonal para avaliação da variação mensal. A partir de janeiro de 2014, h/ouve atualização dos fatores sazonais e reelaboração das séries dessazonalizadas, utilizando o filtro sazonal X-12 ARIMA, disponibilizado pelo US Census Bureau. 

Nota: Os dados que constituem a base do indicador de Demanda do Consumidor por Crédito não guardam qualquer relação, comercial ou operacional, com a Boa Vista. O indicador visa antecipar alguns movimentos e tendências referentes ao mercado de crédito como um todo, sem qualquer especificação por empresa, independentemente do setor ou porte. 

Data

20 julho 2022

Compartilhe

    CADASTRE-SE E RECEBA A NOSSA NEWSLETTER!