Veja quais municípios do RS tiveram melhor saldo na geração de emprego com carteira assinada em março

Em números absolutos, cidades do Vale do Rio Pardo se destacam na abertura de vagas em razão da safra de fumo.

Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) de março, divulgados nesta quarta-feira (28), mostram que municípios do Vale do Rio Pardo têm participação importante em números absolutos na geração de empregos com carteira assinada nesse mês. Dos 17.762 abertos em março, 3.899 foram registrados em Santa Cruz do Sul e Venâncio Aires.

Os dois municípios se destacam na região na indústria do fumo. Além da sazonalidade desse processo, o crescimento na exportação de tabaco no primeiro trimestre deste ano e a taxa de câmbio ajudam a explicar o desempenho dessas cidades, segundo o economista-chefe da CDL Porto Alegre, Oscar Frank.

– Existe uma demanda ávida da China, e a gente sabe que é um país que está apresentando uma retomada vigorosa, e também o fato de que a taxa de câmbio acaba servindo naturalmente como incentivo para se realizar a exportação. Para a mesma mercadoria tenho uma receita em reais que é bem mais elevada – explica o economista.

Em relação a Porto Alegre, Frank destaca que a Capital tem um estoque de emprego mais elevado em relação a outros municípios e acaba figurando muitas vezes entre os municípios que mais geram ou perdem vagas.

Na parte de baixo do ranking do saldo de vagas nos municípios do Estado, Vacaria lidera com o pior resultado em números absolutos. O município da Serra fechou 1.692 postos em março. O prefeito da cidade, Amadeu Boeira, explica que esse fato ocorre em razão da colheita da maçã, que se encerra em março:

– É sazonal. Todo o ano é assim. Emprega bastante o pessoal quando começa a colheita e faz o desligamento no fim da safra. Muitos dos contratados vêm de fora do município.

Além do saldo positivo na geração de emprego formal em março, o Estado também ficou no azul no trimestre, com 74.448 vagas abertas. Indústria e serviços puxaram o resultado positivo em março. Na outra ponta, a agricultura registrou o pior cenário.

Fonte: Portal GaúchaZH – Economia

Data

28 abril 2021

Compartilhe