Boa Vista: Inadimplência das famílias com recursos livres sobe para 4,14%

Boa Vista: Inadimplência das famílias com recursos livres sobe para 4,14%

01

JUNHO, 2021

Notícias

A taxa de inadimplência das pessoas físicas com recursos livres subiu 0,03 pontos percentuais em abril na comparação mensal e encerrou o período em 4,14%, segundo dados do Banco Central divulgados nesta sexta-feira (28). Antes disso, o indicador de Registros de Inadimplentes da Boa Vista, empresa parceira de negócios da CDL POA, já havia apontado alta na comparação mensal dos dados dessazonalizados entre os meses de abril e março.

Na avaliação dos economistas da Boa Vista, a segunda alta consecutiva na taxa de inadimplência reforça uma tendência que já era esperada. Resta saber se a alta será rápida ou não. A retomada do programa de auxílio emergencial no mês de abril e a antecipação do 13º salário de aposentados podem ajudar a conter uma brusca elevação na taxa de inadimplência. Por outro lado, o aumento na taxa de desemprego tende a pressionar a inadimplência para cima, dado que, segundo o IBGE, a taxa atingiu 14,7%, o maior nível desde o início da série histórica, iniciada em 2002.

A taxa de juros também subiu, de 40,91% para 41,02%, devido ao aumento no custo de captação, que passou de 6,50% para 6,99%, enquanto o spread bancário reduziu de 34,41 para 34,03 pontos percentuais. O aumento no custo de captação não surpreende, dado que a taxa básica de juros, Selic, está subindo. Por sinal, as projeções mais recentes indicam uma Selic a 5,50% no final do ano, embora algumas casas já começaram a apostar numa taxa ainda maior, de 6,5%, dado que a inflação não demonstra sinais de enfraquecimento. O IGP-M, por exemplo, subiu 4,10% em maio e, em 12 meses, acumula alta de 37,04%, de acordo com os dados da FGV publicado hoje. Além disso, o aumento esperado para a inadimplência também tende a puxar o spread para cima ao longo do ano.

Por fim, na análise de longo prazo, medida pela variação acumulada em 12 meses, a concessão de crédito de recursos livres às famílias entrou em campo positivo passando de -4,05% para +0,08%. A curva da concessão desacelerou ao longo do último ano, passando de 14,7% em março de 2020 para -4,4% em fevereiro de 2021. Nos dois últimos meses, porém, foi observada uma inflexão da curva, dado, também, que a base de comparação é fraca em função da crise.

Os dados divulgados hoje pelo Banco Central confirmam, por ora, mudanças nas tendências de inadimplência, juros e concessão de crédito.

Data

01 junho 2021

Compartilhe