Desemprego fecha 2013 com média de 3,5% na capital

Taxa de dezembro na Grande Porto Alegre foi ainda menor pelos efeitos sazonais: 2,6%.

Os dados sobre o Mercado de Trabalho em dezembro confirmaram o cenário de estabilidade nas variáveis do emprego tanto no Rio Grande do Sul quanto no Brasil:

  • Taxa de desemprego manteve-se em 2,6% em dezembro para Grande Porto Alegre;
  • Em relação a dezembro/12 houve queda 0,4 ponto percentual;
  • Na média em 12 meses, manteve-se relativamente estável em3,5%;
  • Para o Brasil, também houve queda: 4,3%, redução de 0,3 p.p. em relação a dezembro/12;
  • Na média em 12 meses, a taxa manteve-se estável em 5,4%.

(em % da população economicamente ativa)

Fontes: IBGE.  Elaboração: NI/CDL Porto Alegre

Em termos de valores pagos, os dados são de novembro/13 e apontam que os rendimentos continuam crescendo acima da inflação no mercado:

  • aumento de 1% na comparação com outubro/13, em Porto Alegre: R$ 1.947 contra R$ 1.928 – na média móvel em 12 meses;
  • aumento de 0,1% na comparação com outubro/13, no Brasil: R$ 1.976 contra R$ 1.975 – na média móvel em 12 meses.

Considerações da Assessoria Econômica

Conforme destacamos nas últimas notas, a taxa de desemprego estabilizou-se abaixo de 4% em Porto Alegre, e abaixo de 6% para o resto do país.

As quedas de dezembro e novembro, foram causadas por uma redução maior das pessoas disponíveis a trabalhar do que das pessoas empregadas. Em valores absolutos, houve queda no número de pessoas empregadas.

Essa análise é corroborada pelo efeito sobre a média em 12 meses, que praticamente se manteve estável tanto no Brasil (5,4%) como em Porto Alegre (3,5%). A média de horas trabalhadas em 12 meses também têm se mostrado relativamente estável.

Lembramos que o Mercado de Trabalho no Brasil é bastante engessado, o que faz com que no curto prazo as empresas prefiram ajustar os gastos com pessoal primeiramente através das horas de trabalho, e posteriormente no tamanho do quadro.

Já algum tempo entendemos que o gargalo no mercado de trabalho está mais na oferta de pessoas disponíveis para trabalhar – e com a qualificação desejada.

Entretanto, o aumento frequente dos salários começa a afetar também a demanda das empresas por trabalhadores. Esses aumentos representam custos maiores pois produtividade não cresce no mesmo ritmo. Nesse cenário, as empresas buscam formas de substituir a necessidade de pessoal por processos mais automatizados, menos complexos, ou divisão de tarefas para outros funcionários. Isso ajuda a impedir que os custos cresçam mais rapidamente, gerando menos demanda por pessoas.

Esse é um processo que ocorre de forma gradual e, portanto, acreditamos que o mercado de trabalho deve se manter apertado em 2014, similar ao que ocorreu em 2013.

Assessoria Econômica
Gabriel P. Torres – Economista

gabriel.torres@cdlpoa.com.br
(51) 3017-8048   (51) 9158-6552

Política de Uso
Caso seja de seu interesse receber esse documento em versão digital, por favor entre em contato através do e-mail 
gabriel.torres@cdlpoa.com.br . A CDL POA permite a reprodução total ou parcial do conteúdo deste documento, desde que devidamente citadas fonte e elaboração. As análises contidas nesse documento são de única e inteira responsabilidade de seu(s) elaborador(es), não representando necessariamente a visão da instituição, seus diretores, procuradores e (ou) demais representantes legitimamente escolhidos conforme seu estatuto. A CDL POA e os autor(es) deste documento não se responsabilizam por quaisquer decisões e ações tomadas com base nas informações e análises presentes nesses informativos.

Data

31 janeiro 2014

Compartilhe