fbpx

Saiba como criar um modelo de negócio inovador

05

JUNHO, 2019

Notícias

Conheça os principais aspectos a serem levados em consideração na hora de tirar do papel a ideia de montar uma empresa

Um dos primeiros passos na hora de montar uma empresa é projetar como ela irá criar, entregar e capturar valor. Em outras palavras, é fundamental pensar quais serão os benefícios do produto ou serviço comercializado, de que forma ele será distribuído e como será monetizado. No jargão da Administração, isso é o que se chama de modelo de negócio.

Essa é uma etapa essencial para o sucesso de uma empresa, especialmente se ela tiver a inovação como proposta. Negócios tradicionais já nascem em uma certa “zona de conforto” – os dados sobre quem é o público-alvo, como é possível capturá-lo e qual o preço médio de um determinado serviço ou produto já estão disponíveis e são do conhecimento de todos. É o caso de uma padaria, de uma loja de roupas, de uma academia ou de uma farmácia, por exemplo.

No entanto, quando falamos em negócios inovadores, o cenário, em geral, é de incerteza. Diante de dados praticamente inexistentes, é imprescindível criar hipóteses. O público, a proposta de valor, a forma de monetizar a empresa, o preço, a demanda, etc. Todos esses itens se resumem a hipóteses. Porque, afinal, é esse o espírito da inovação. Se esses dados já fossem do conhecimento de todos, a iniciativa não seria inovadora, mas, sim, tradicional.

É aí que entra a importância de um modelo de negócio consistente, calcado em uma mentalidade de teste e validação de hipóteses. A fórmula parece simples. São quatro pontos:

  1. HIPÓTESE

É sempre uma afirmação, algo supostamente é verdadeiro, mas precisa ser confirmado. Pode se referir ao comportamento do público e a outros aspectos relacionados ao negócio.

  1. TESTE

É a forma como a hipótese será verificada.

  1. MÉTRICA

É a unidade de medida utilizada para verificar o sucesso do teste e a validação da hipótese.

  1. META

É o valor que se espera atingir, na métrica, para validar a hipótese. É difícil de ser estabelecida porque quase não há dados existentes sobre o negócio. É por isso que ela, em si mesma, é hipotética, e deve ser melhorada ao longo do teste, mesmo que a hipótese principal ainda não tenha sido confirmada.

Agora, um exemplo prático:

Antônio quer lançar um curso – “Gestão da Inovação” – em sua escola de formação de lideranças. A hipótese com a qual ele trabalha é de que os consultores autônomos sentem falta de uma formação específica para atuar na área da inovação. Para testar essa hipótese, ele criou um “Guia para Gestão da Inovação”, disponibilizado para download em uma landing page em troca de dados cadastrais. A métrica utilizada por Antônio é o número de pessoas que se dispuseram a compartilhar os seus dados em troca do download do material. Em duas semanas, esse número chegou a 150 – o que deu, a Antônio, uma boa dimensão da possibilidade de a sua ideia de curso para consultores autônomos ser bem-sucedida.

___________________________________________________________________________
Você também pode gostar de: