Cenários 2019 discute tendências da nova política econômica

16

NOVEMBRO, 2018

Notícias

Especialistas e empresários de destaque no varejo gaúcho falarão sobre perspectivas de crescimento para o contexto econômico do próximo ano

Para debater as expectativas de retomada de investimentos e propor caminhos para crescer em um novo ambiente econômico, político e empresarial, a Câmara de Dirigentes Lojistas de Porto Alegre promove o Cenários 2019. Marcado para 21 de novembro, no Teatro CIEE, em Porto Alegre (RS), o evento contará com profissionais de referência no mercado e empresários que conhecem profundamente a realidade do mercado gaúcho. Estão confirmadas as presenças do economista Aod Cunha, do jornalista político da Veja Augusto Nunes e de três empresários com destaque nacional: a superintendente do Grupo Lins Ferrão, Carmen Ferrão, o presidente da Calçados Beira Rio, Roberto Argenta e o sócio-diretor das Lojas Monjuá, Jorge Bender.

O Cenários 2019 irá debater este momento de profundas transformações econômicas do Brasil, com o objetivo de traçar os possíveis impactos pós-eleições e indicar novas estratégias para os negócios. “Este é o momento para entender as camadas que permeiam a economia brasileira e compreender como a capacidade administrativa dos novos governos pode impactar nos negócios e direcionar o ambiente certo para avançar”, destaca o anfitrião do evento, presidente da CDL Porto Alegre, Alcides Debus.

Os ingressos já estão disponíveis no site da CDL POA e podem ser adquiridos no cartão de crédito, com parcelamento sem juros. Os ingressos apresentam os seguintes valores: R$ 110 para associados CDL POA; R$ 150 para o público geral; R$ 60 para estudantes. Para mais de cinco inscrições há um desconto especial.

 

Saiba mais sobre os palestrantes:

Aod Cunha

Mestre e Doutor em Economia pela UFRGS (2003); Pós Doutorado e Pesquisador Visitante em Columbia/NY (2009); Presidente da Fundação de Economia e Estatística (FEE) do Estado do Rio Grande do Sul (2003-2006); Secretário da Fazenda do Estado do Rio Grande do Sul e Presidente do Conselho de Administração do Banrisul (2007- jan 2009); Consultor Sênior do Banco Mundial (2010); Managing Director do Banco J.P. Morgan em São Paulo (2011-2014); Sócio do Banco BTG Pactual (2014-2016); Conselheiro do Banco Pan (2015-2016); Foi professor de cursos de macroeconomia na PUC/RS, UFRGS/RS e IBMEC/RJ em diferentes períodos entre 1994 e 2014; Artigos publicados em periódicos nacionais e internacionais e prêmios recebidos: Prêmio do Tesouro Nacional e Associação Brasileira de Mercado de Capitais; Coautor do livro “Sistema Financeiro Nacional: O que fazer?” Elsiever, 2016.

Augusto Nunes

Colunista de Veja.com, comentarista do Jornal da Manhã. Começou muito jovem na atividade jornalística, publicando textos nos dois jornais de sua cidade natal quando tinha apenas 14 anos. Em 1970 mudou-se para São Paulo. Foi revisor dos Diários Associados (1971); repórter, subchefe de reportagem e repórter especial para a América Latina do jornal O Estado de São Paulo (1971 -1973) e diretor de redação (1988-1992) no mesmo jornal; repórter da editoria geral, redator de educação, redator da área de cidades, editor-assistente da geral, editor-assistente de política e redator-chefe da revista Veja (1973 -1986); apresentador de programas jornalísticos na televisão como Informação e o Imprensa na TV Bandeirantes (a partir de 1976) e no Veja Entrevista, na TV Gazeta (1982 -1983); diretor regional do Jornal do Brasil (1986 -1988); apresentador do programa Roda Viva, da TV Cultura de São Paulo (1987 -1989); diretor de redação do jornal Zero Hora, de Porto Alegre (1992 -1996); diretor de redação da revista Época, no Rio de Janeiro (1998). Recebeu três vezes o prêmio Esso de Jornalismo, duas vezes na categoria Reportagem (1982 e 1984) e uma na categoria Informação Esportiva (1984). Escreveu uma biografia de Tancredo Neves (publicada em 1986), e foi o editor do depoimento do jornalista Samuel Wainer prestado à filha deste, Pinky Wainer, publicado pela Editora Record (1988).

Roberto Argenta

Presidente da Calçados Beira Rio. Graduado pela Faculdade de Ciências Contábeis da UFRGS, trabalhou em algumas empresas, foi operador na Bolsa de Valores do Rio Grande do Sul e Auditor Independente. Iniciou sua atividade como pequeno empresário em 1975, no município de Igrejinha, na Calçados Beira Rio S/A. A empresa foi crescendo a cada ano e hoje possui hoje 11 unidades produtoras de calçados. No decorrer destes anos, conquistou muitos prêmios: Industrial do Ano do Setor Calçadista Brasileiro (1989) – Francal e Grupo Editorial Sinos; Mérito Industrial – FIERGS (1996); Top de Marketing ADVB (1997); Melhores Empresas da Revista Exame (1998, 1999, 2000, 2009 e 2017); Prêmio Excelência Empresarial – FGV (2000). Foi Prefeito de Igrejinha (1988), Deputado Federal (1998), Presidente da Procergs (fevereiro a julho de 2003). Atualmente seu principal objetivo é a formação de lideranças por meio da Faculdade Antônio Meneghetti e da Fundação Antônio Meneghetti.

Carmen Ferrão

Sócia superintendente do Grupo Lins Ferrão – Pompéia e Gang, fundado há 65 anos, em Camaquã-RS. Ao longo de sua trajetória, participou de inúmeros cursos e programas de atualização de varejo e gestão nos Estados Unidos e na Europa. Entre eles, o Real Executive Education Program, no Arizona, e o Programa de Gestão Avançada – PGA pela Fundação Dom Cabral e INSEAD. Fundadora da Associação dos Jovens Empresários do Rio Grande do Sul, é conselheira da Federarul-RS e ex-vice-presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Porto Alegre (1993-1995). Carmen escreveu o livro “Em Busca da Emoção – O Sentimento Transforma o Marketing Nesta Passagem do Século”, publicado pela Editora Sulina em 1998.

Jorge Bender

Sócio-Diretor das Lojas Monjuá, varejista que tem foco em vestuário para toda a família entre os públicos classes B e C, desde 1986, quando seu pai, Osvaldo Afonso Bender, mudou-se para Brasília, por conta da carreira política, acompanhado da esposa, Astrogilda. Inicialmente, a empresa fundada pelo casal em 1964 funcionava como um atacado de produtos para alfaiates e se chamava Tecidos 3 Passos. Uma década antes, o pai de Bender vendia trajes de porta em porta, cumprindo seu trajeto pela cidade a pé, enquanto a mãe do diretor produzia as peças. Mal o negócio engrenou, em 1967 surgiram as primeiras confecções prontas no País. Os alfaiates sofreram queda de demanda, começaram a ir mal, desativar as empresas, e isso repercutiu no atacado. Naquele mesmo ano, Osvaldo Bender decidiu virar o jogo e apostar no varejo. O empresário gaúcho então passou a fazer o mesmo. Na década de 1980, a 3 Passos já tinha mais de 30 lojas. O próprio fundador treinava os vendedores. Depois, promovia os melhores e ia abrindo filiais. Em 1993, outra mudança de conjuntura ditou os rumos do negócio. Com baixa procura de tecidos em metro, a empresa interrompeu o trabalho com este nicho e incrementou os estoques com mais confecção feminina e calçados. Foi aí que o nome fantasia mudou para Lojas 3 Passos. A expansão continuou, chegando aos municípios próximos da Capital, a exemplo de Alvorada, Cachoeirinha, Sapiranga, Parobé e Montenegro. Agora, a meta é chegar a Porto Alegre e cidades da Serra, entre outras regiões que ainda não contam com a presença da marca.

 

Serviço:

Cenários CDL Porto Alegre

Data: 21 de novembro

Das 14h às 17h30min

No Teatro CIEE – Rua Dom Pedro II, 861, Porto Alegre – RS

Contato: cdl.evento@cdlpoa.com.br