Incerteza sobre abertura do comércio faz lojistas adiarem campanhas para o Dia das Mães

28

ABRIL, 2020

Notícias

Empresários concentram ações em e-commerce e redes sociais.

 

Depois de uma queda estimada de 33% nas vendas nesta Páscoa em relação ao ano passado, conforme levantamento da empresa de análise de crédito Boa Vista, tudo que o comércio teme é um novo tombo no Dia das Mães, no próximo dia 10. A data é considerada a segunda melhor do ano para o varejo, atrás apenas do Natal.

Ainda sem ter certeza de por quanto tempo as lojas permanecerão fechadas em razão do combate ao coronavírus, os lojistas ajustam suas estratégias para atender aos clientes remotamente. Os empresários contam com as teias de contatos em redes sociais para propagandear seus produtos.

 – A aposta de vendas tem sido muito no e-commerce, com o empresário tendo de se adaptar rapidamente a tecnologias que, para muitos, não eram comuns – afirma Irio Piva, presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas da Capital (CDL POA).

Os canais digitais têm possibilitado que a loja de vestuário feminino Espaço Boho, no Bairro Moinhos de Vento, mantenha contato com clientes e distribua imagens frescas das novas coleções. Ainda sem produzir fotos para o site, em razão do fechamento repentino das atividades, as sócias Ana Cristina Kanarzveski e Juliana Gerbase passaram a distribuir imagens caseiras das peças pelo Instagram.

Por esta rede e também pelo WhatsApp, as clientes podem escolher as confecções preferidas e recebê-las em casa para experimentar. No dia seguinte, as sócias recolhem a roupa e anotam os pedidos. Todas as peças de mostruário passam por esterilização com álcool líquido antes de chegarem a novas consumidoras.

– É um formato de venda que dá um pouco mais de trabalho do que apenas enviar a encomenda feita no site. Por outro lado, desperta uma sensação de atenção e atendimento personalizado que agrada às clientes – afirma Juliana.

Para o Dia das Mães, a aposta de vendas está nos conjuntos com estampas iguais para mães e filhos. A loja ainda não começou uma campanha específica para a celebração em suas redes, por não ter certeza como estará o comércio e a situação da pandemia nos próximos dias. 

– Nossa ideia é pelo menos conseguirmos vender o básico para pagar os custos fixos da loja – completa Ana.

As campanhas dos comerciantes para a data ainda são tímidas na Capital, o que é atribuído à insegurança em relação a quando as lojas de itens considerados não-essenciais serão autorizadas a voltarem a abrir. Nesta segunda-feira (27), a CDL POA entregou ao prefeito da Capital, Nelson Marchezan, documento assinado em conjunto com o Sindilojas e a Associação Comercial de Porto Alegre (ACPA) que pede a abertura do comércio de rua já no próximo sábado (2). Até agora, a prefeitura ainda não determinou uma data.

– Neste momento o que mais aflige o lojista é a incerteza sobre quanto tempo ainda vai levar a quarentena em Porto Alegre, se mais alguns dias ou várias semanas.  Não há como fazer planejamento de vendas ou campanha deste jeito – afirma Irio.

 

Estratégias podem ajudar a potencializar vendas

Em razão desta indefinição, entidades comerciais evitam estimar o volume de vendas para este Dia das Mães. A Fecomércio-RS deverá divulgar até o final desta semana uma pesquisa sobre o cenário de vendas, mas, até lá, evita projeções. Foi ventilada entre as associações de lojistas adiar a data da celebração em alguns meses, mas a ideia foi logo descartada por receio de descaracterizar a festa.

Especialista em marketing promocional, o professor do MBA da ESPM em Porto Alegre Genaro Gali afirma que é importante que os comerciantes estejam prontos para um aumento nas vendas às vésperas do Dia das Mães, em efeito semelhante ao que ocorreu na Páscoa, em que, com as medidas de isolamento, os pedidos online se concentraram nos últimos dias.

– Além de manter atualizados os canais digitais, os lojistas precisam deixar preparada sua estrutura de logística e distribuição para uma data em que a demanda pode ser grande. E não é hora de deixar passar oportunidades de venda – afirma.

Esta é uma data que abre espaço para que as lojas tenham abordagens mais humanas e personalizadas com seus clientes. O professor recomenda que as ações nas redes sociais tenham não apenas cunho publicitário, mas também reforcem o caráter mais emotivo da relação. Para os lojistas que começam a preparar seu mostruário virtual, Gali traz uma sugestão importante:

– Opte por colocar em destaque acessórios como bolsas, cintos e lenços, que servem para todas (as mulheres), independentemente de medidas. Isso pode facilitar a vida dos clientes que entram no seu site para comprar, mas não estão acostumados a comprar roupas femininas.

 

Fonte: Site GZH – Economia

 

___________________________________________________

A CDL Porto Alegre reafirma seu compromisso em acolher as necessidades dos varejistas, auxiliando-os a transpor os entraves da disseminação do coronavírus. A Entidade tem a convicção de que a unidade do setor fará grande diferença neste momento tão delicado e de apreensão para todos. Com a atenção e a disponibilidade de cada empresário, para fazer a sua parte, o setor sairá ainda mais forte desta crise.